,

O que é vínculo?


15 • 08 • 2018
por Janaína Leão

Olá meninas, tudo bem?

Você sabia que muitos problemas psicológicos, tais como dependência afetiva, insegurança e angústia têm ligação com aquilo que você viveu, viu, ouviu e sentiu no decorrer da sua infância? A dinâmica da sua família, a forma como todos expressaram sentimentos de cuidado, controle, rigidez ou falta de limite, tudo influencia a forma como você se vincula.

Mas, o que é vínculo? 

Vínculo é ligação, laço, elo, conexão… Vincular-se é se relacionar, eternizar momentos, criar intimidade, dar espaço para o outro ser ele mesmo, independente do seu desejo. Criar vínculo não é aprisionar, ter controle ou posse. O vínculo é uma linha tênue imaginária que une pessoas, não apenas em relacionamentos amorosos. É confiança, segurança, apoio e base em qualquer relação.

O vínculo é a base para os relacionamentos evoluírem. Sabe aqueles amigos que você não vê com frequência, porém quando os encontra é como se os visse todos os dias? Às vezes você não tem nem notícias da pessoa e, quando a encontra, poucas horas são suficientes para estarem próximos, como se nunca tivesse havido qualquer separação. É disso que estamos falando.

Seus relacionamentos, sejam eles pessoais ou de trabalho, geram vínculos? Você cria um espaço acolhedor e empático?

Imagino que muitos estão pensando: afinal, como se cria vínculo? Aqui o que conta é a sua resposta, pois você precisará levar em conta tudo aquilo que aprendeu, viveu e sentiu na sua infância. Como é o seu vinculo com seus pais, irmãos, tios, primos, avós, amigos, colegas, vizinhos etc.? Se olhar para os relacionamentos de trabalho, amizade e amor dos seus pais, o que você enxerga? São pessoas que criaram intimidade com os outros? Você as vê mais fechadas? Mais amorosas? Rígidas, severas e com distanciamento? Amáveis, acolhedoras, incentivadoras? São pessoas que dão segurança ou são pessoas controladoras? Exercem autoritarismo ou autoridade?

Como se vê, são muitas as variáveis na equação, mas fazendo essa breve analise é possível compreender como você cria vínculo com o outro.

Crie relacionamentos que tenham conexão, ligação e laço. Aquilo que dá nó sufoca, espreme e está mais próximo de controle ou dependência. Nos relacionamentos em que os vínculos são saudáveis geralmente as pessoas convivem muito bem, pois o nível de confiança e segurança é equilibrado, possibilitando que o outro faça suas escolhas e não tenha medo de expressá-las.

O vínculo é aprendido e construído ao longo da vida. Se você não teve uma base familiar e emocional sólida, busque ajuda profissional, entenda sua história e desenvolva-se.  Sabe por quê? Porque vínculo é vida!

Beijos e até a próxima!

Janaína Leão: Psicóloga e Coach

@psicologa_coach   |    janaina@janainaleao.com.br     |    www.janainaleao.com.br

,

Namorar É Química Sem Fórmula


12 • 06 • 2017
por Janaína Leão

Olá meninas!

Namorar por namorar não faz sentido e você já deve ter passado por situação semelhante a essa.

Você também já deve ter percebido que antes de encontrar um(a) namorado(a) você precisa se namorar. Isso inclui cuidar da sua autoestima, buscar o que faz sentido na sua vida, sua independência e segurança pessoal e profissional. De repente você está pensando que isso é ideologia, mas afirmo que não. Quando você está confiante de si e não busca uma pessoa para completar as suas faltas, possivelmente você viverá com muito mais intensidade e maturidade a relação.

Muitos buscam um(a) namorado(a) para saciar vazios que jamais serão amenizados pelo outro a longo prazo. Inclusive, isso pode gerar cobranças excessivas entre os(as) parceiros(as).

O ciclo tradicional de um relacionamento inclui ficar, namorar, noivar e casar. Para aqueles casais que não seguem o padrão tradicional, eles ficam, namoram e em alguns casos viram namoridos, parceiros ou companheiros de vida. Na realidade, a nomenclatura pouco importa e é muito mais uma exigência da sociedade. Independente da fase, o namoro deve perdurar em todas as etapas.

Namorar é conhecer o seu parceiro(a), todavia, um conhecer profundo, que inclui as qualidades, os pontos a melhorar, as manias, o que gosta, o que não tolera, seus objetivos, medos e perspectiva de vida. Envolve conhecer a família, os valores e princípios de vida. Além disso, namorar  também é ceder, aprender e ensinar o outro. Muitas vezes, se faz necessário abrir mão das nossas vontades e adicionar uma programação que é do desejo do outro. Namorar é aceitar programas que não são do seu interesse e sim do outro.  Namorar  também é ter tolerância e flexibilidade para entender que as pessoas são diferentes e estar aberto para aprender sobre e com o outro, mesmo que a atividade não seja do seu interesse.  Namorar é criar uma parceria, respeitar gostos e se aventurar fora da sua zona de conforto.

A cada fase da relação o “namoro” passa por reformulações e isso é natural. A empolgação e a paixão no inicio da relação dão lugar para a segurança e o amor. O amor é algo aprendido ao longo dos anos e também passa por questionamentos – afinal, não existe um formulário com o conceito e o significado.

Manter a chama do namoro acessa requer criatividade e inovação. Antes de você cobrar do outro coisas diferentes, invista você nesse quesito. Geralmente, aprendemos pelo exemplo e no namoro não é diferente. Se vocês estão mais distantes, se beijam raríssimas vezes, transam de vez em quando e apenas dividem a casa e algumas responsabilidades – quem sabe não está na hora de vocês realinharem seus objetivos. Afinal, namorar inclui troca de carinho e beijos que vão além do “selinho”. “Ah! Mas no meu namoro não tem beijo, abraço e estamos distantes!” – Se isso faz sentido para o casal e ambos estão satisfeitos e de comum acordo, ok!

Vale lembrar que não existe uma regra, apenas sabemos que grande parte das pessoas gostam de ganhar carinho e, para isso ocorrer você também precisa dar.

Independente da sua situação, estado civil e entendimento do que é namorar – desejo que você use a criatividade para aproveitar o seu dia da melhor forma possível. (Lembro que quando era adolescente eu e uma amiga passamos o Dia dos Namorados solteiras e foi uma dia muiiiiito bacana – fomos passear numa cidade próxima da que morávamos, compramos um balão de coração e trocamos esses balões nos presenteando. Pati, esse dia foi demais e está registrado em fotos que guardo com muita recordação.)

Usar a criatividade, chamar as amigas(os) ou comemorar com o(a) parceiro(a) é uma forma de curtir esse dia comemorativo e que deve se estender nos 364 ou 365 dias do ano.

Namorar é flertar, é se emaranhar no eu, tu e nós e não criamos “nós” e, sim laço. Namorar é entregar a vida a alguém que lhe proteja e esteja junto a ti, independente da situação. Se for pra namorar, que seja para se entregar nos braços do abraço que preenche e traz paz. Namorar é se doar sem querer nada em troca. É transcender, ir para o infinito e além e aterrissar em segundos. Namorar é amar e se for para amar, que seja único – verdadeiro e que te traga calmaria.

Um feliz dia!

Janaína Leão: Psicóloga e Coach

@psicologa_coach  |    janaina@janainaleao.com.br     |    www.janainaleao.com.br