,

A Menopausa E Os Exercícios Físicos


27 • 11 • 2018
por Equipe Pink Fit

Olá meninas, tudo bem?

Durante a menopausa ocorrem modificações hormonais em decorrência ao fim o período de fertilidade da mulher. É caracterizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) após período de 12 meses ou mais de amenorréia e ocorrem por volta dos 50 anos. Seus sintomas são: parada de ovulação, aumento da temperatura corporal, variação de humor, indisposição, insônia, dores de cabeça, redução da libido e diminuição de estrogênio, que é responsável pela proteção cardiovascular e reposição de cálcio.

Assim as mulheres com menopausa tem maior risco de aumento da osteoporose, pois a reabsorção óssea é maior que o depósito e maior propensão a doenças cardíacas.
O sobrepeso também é maior em mulheres com menopausas equiparadas na idade, com aquelas que não estão na menopausa. Isso significa que este fato não advém do envelhecimento, mas sim desse processo feminino natural.

Estudos comprovam que o aumento de peso ocorrem mais no período pré-menopausa e no início dela e que a tendência é o aumento de 2,5 a 5,0 kg de peso que resultam em uma modificação da estrutura corporal, muitas vezes, com padrão androide, que acumula mais gordura na região abdominal que em outras partes do corpo.

Por estes motivos, a atividade física se estabelece, neste cenário, como um dos principais tratamentos das consequências, das consequências da menopausa, principalmente na prevenção à obesidade.

 

Os exercícios físicos regulares diminuem a massa gorda e aumentam a massa magra que aceleram o metabolismo fazendo com que o ganho de peso extra não ocorra e cada vez mais melhoram sua composição corporal. Outro benefício muito importante da atividade física para mulheres pós-menopausa é o combate à osteoporose, que promove a melhora da densidade óssea por causa de exercícios de força e impacto. Sem falar na maior disposição, melhora da autoestima e que 30 min de atividade física ameniza os calores da menopausa, melhorando seu estado físico e psíquico.

Para chegar a estes resultados mais rápido e de modo seguro, tenha um acompanhamento de um profissional da atividade física que saberá como amenizar as mudanças caudadas pela menopausa.

Nós, da Pink Fit, somos especialistas em treinamento feminino e entendemos cada fase da vida e suas especialidades para que você obtenha sempre os melhores resultados.

Contem conosco!

Beijos

Equipe Pink Fit

Contato @pinkfittraining | www.pinkfit.com.br | contato@pinkfit.com.br| Tel.: (11) 98274-3422

,

Forte por Dentro | Osteoporose e Atividade física


26 • 09 • 2017
por Equipe Pink Fit

Oi meninas, tudo bem?

O texto de hoje é da professora Tayna Santos.

Já pararam para pensar na importância de se ter uma boa saúde óssea?

Os ossos são tecidos rígidos que compõem o esqueleto humano e sustentam nosso corpo. Além disso, eles também possuem relação com o metabolismo do cálcio, e a medula óssea está totalmente ligada à formação das células do sangue. Parece complicado, mas tudo em nosso corpo está interligado, correto?

Por isso, para termos uma boa saúde óssea, é necessário que diversas de suas funções estejam ativas e em bom funcionamento, são elas:

  • Formação de células sanguíneas (hemopoiese)
  • Transferência de forças (alavancas que permitem transformar o movimento muscular em força)
  • A proteção dos órgãos internos (como coração, medula, glândulas, órgãos digestivos
  • Armazenamento de cálcio (importante para a homeostase mineral, seja para contração muscular quanto cardíaca)
  • Sustentação (agindo contra forças da gravidade)

Por estes motivos, ter uma saúde óssea ruim pode influenciar negativamente em diversos sistemas e, ter osteoporose, pode ser um problema maior do que você imagina, pois é uma condição patológica marcada pela reabsorção de cálcio excessiva.

A perda de massa óssea começa por volta dos 30 anos, muito antes do que muitos imaginam e, normalmente, o risco se agrava após a menopausa, por conta da diminuição do estrogênio, um hormônio responsável pela inibição de substâncias parácrinas que promovem essa perda óssea. A grande questão, é que a osteoporose é uma doença silenciosa e crônica em que os sintomas demoram a aparecer, pois ela é resultado da interação entre componentes genéticos e ambientais como o sedentarismo.

A relação entre atividade física e saúde óssea estão mais que estabelecidas na literatura científica e demonstram a importância da prática de atividade, tanto na prevenção, quanto no tratamento de pessoas com osteoporose ou osteopenia.

Tudo isso ocorre porque os ossos, ao contrário do que muitos pesam, é um tecido dinâmico e altamente vascularizado que através do exercício de impacto, de forte contração muscular e, até mesmo, de sustentação do peso corporal, podem aumentar a densidade óssea. Ou seja, os exercícios mais recomendados são os resistidos que melhoram a produção de osteoblastos (responsáveis por depositarem cálcio e fosfato nos ossos) e diminuem a produção de osteoclasto (catalisam o cálcio e o fosfato que são lançados na corrente sanguínea), devido à utilização por energia piezelétrica.

Dentro deste contexto, o exercício físico para pessoas com osteoporose em nível avançado deve ser supervisionado, porque há certos movimentos que devem ser evitados ou, se feitos, realizados com cautela, como flexões de tronco, principalmente associados com inclinações laterais, exercícios feitos com grandes alavancas e aqueles que possam gerar desequilíbrio e quedas, como os realizados em locais desnivelados, com grandes altitudes, pouca base de apoio ou solos instáveis.

Por isso, uma boa estratégia é inserir de forma gradativas e segura o treinamento proprioceptivo e funcional, associados aos exercícios de força. Ou seja, seu corpo precisa ser cuidado pelos melhores profissionais e isso faz toda a diferença para a sua saúde, porque o seu corpo é seu maior bem e ter ossos saudáveis é a base de tudo.

Então vamos treinar!!!

Equipe Pink Fit

Contato @pinkfittraining | www.pinkfit.com.br | contato@pinkfit.com.br| Tel.: (11) 98274-3422

,

O rejuvenescimento e embelezamento íntimo


22 • 09 • 2017
por Clarissa Rittes

Olá meninas!!!

Hoje a coluna é sobre um tema muito importante, mas que para algumas mulheres ainda é um tabu: o rejuvenescimento e embelezamento íntimo. Com o aumento da longevidade, é cada vez mais comum a busca da vida sexual após a menopausa. Por isso, nos últimos anos, muitas tecnologias foram desenvolvidas dentro deste contexto.

A novidade do momento é a ponteira nova, robótica, do laser FOTONA, que permite o tratamento do canal vaginal e assoalho pélvico, internamente. Sem cirurgia, sem internação e sem dor, esse laser aumenta a sensibilidade sexual e o prazer, além de ajudar na lubrificação, melhorar a atrofia e também tratar a incontinência urinária e a queda de períneo.

Associado ao tratamento interno, também podemos cuidar da parte externa: diminuição de lábios e ganho de colágeno na região, deixando-a mais jovem e clara. Esse tipo de tratamento consegue reduzir em até 3 cm os pequenos lábios, além de ” fechar” a região que, às vezes, abre com a idade ou após o parto.

Na menopausa, as mulheres sofrem com a atrofia vaginal, pela redução drástica dos hormônios ovarianos, como o estradiol, que é um importante hormônio da feminilidade. A vagina sofre com perda de lubrificação, dor nas relações sexuais, redução dos folhetos de revestimento da mucosa vaginal, incontinência urinária, por conta do enfraquecimento das paredes e ligamentos de sustentação. O laser de Erbium Yag, aplicado em média 2 ou 3 vezes ao ano, promove o aumento das camadas de células da mucosa vaginal, melhorando a espessura do estroma e o conforto nas relações sexuais. O tratamento utiliza um laser fracionado que consegue recuperar a elasticidade, a espessura e a umidade da vagina, estimulando a produção de colágeno. O laser é uma ótima opção para quem tem contraindicação do uso de cremes hormonais, devido ao histórico de câncer de mama. Além de ser caracterizado como um tratamento indolor e que não gera desconforto, o laser de Erbium Yag se destaca dos outros lasers por não usar CO2, evitando assim, possíveis queimaduras. É um tratamento seguro e viável para mulheres na menopausa, que podem se beneficiar de um tratamento não-hormonal. O laser Erbium Yag é um laser não ablativo (que não queima), conforme os parâmetros utilizados. A ponteira é introduzida na vagina, e a mesma libera energia de forma controlada, em toda a parede vaginal. A sensibilidade é pequena e são necessárias duas sessões, com intervalo quinzenal, para melhores respostas terapêuticas. Há importante melhora na qualidade de vida.

A incontinência urinária é uma queixa feminina que aumenta com a idade e na menopausa. Segundo pesquisas, cerca de 17% das mulheres terão IUE. Atualmente são muitos os tratamentos com cirurgias locais, exigindo da paciente repouso ou inserções de Fitas (Slings). Com a utilização do ERBIUM FOTONA, as aplicações são feitas em regime ambulatorial, sem desconforto, sem cortes e sem sangramentos. Com rápida recuperação e reinício de atividades sexuais. O procedimento à laser que o ERBIUM FOTONA realiza tem resultados com índices de 86% de aprovação das pacientes, de acordo com publicações no “Minimally Invasive Laser Therapy for Stress and Mised Urinary Inconinence in Women” e apresentado pela Drª Sabina Sencar, no Congresso Mundial de Uroginecologia, ocorrido em Dublin .

Esses procedimentos também podem ser feitos por mulheres antes da menopausa, para aumentar a lubrificação e sensibilidade, em mulheres pós parto, ou com perda urinária. A parte externa está indicada para todas as idades pois, muitas vezes, a estética vaginal é um problema na autoestima. E, hoje, conseguimos melhorar muito o aspecto da região sem cirurgia.

Consulte seu Dermato e recupere sua autoestima, sem cortes e sem internação hospitalar.

Espero que tenham gostado!!

Beijos,

Dra Clarissa