,

19 dicas para construir seu equilíbrio


10 • 12 • 2018
por Janaína Leão

Oi meninas, tudo bem?

Aproveitando que finalizamos um ano, o meu desejo é que o próximo seja sempre melhor do que os já vividos – afinal estamos em constante aprendizado, crescimento e evolução.

Equilíbrio é a capacidade que nós temos de permanecer em movimento de forma estável. O equilíbrio nas nossas áreas da vida não precisa ser proporcionalmente igual em todas, mas é preciso manter movimento e não focar apenas em uma área (por exemplo, o trabalho).

Para termos uma vida equilibrada, precisamos olhar para todas as áreas da vida: relacionamento amoroso, saúde (emocional e física), lazer, profissão, espiritualidade, finanças, relacionamento familiar, vida social, contribuição social, desenvolvimento intelectual e etc.

Quando focamos em apenas uma ou duas áreas, temos uma predisposição à exaustão e ao estresse. Como estamos nos aproximando do final do ano, convido você a fazer uma avaliação do seu ano e do que gostaria de mudar, alterar ou incluir no próximo. Por tanto, antes de criar novos objetivos, reveja sua vida área por área e destaque o que você precisa melhorar – seja atitude, pensamento, competência técnica ou comportamental. Caso você não tenha focado nas áreas que mencionei, fica aqui o convite e sugestão para inclui-las. O objetivo do exercício é trazer mais estímulo, prazer e leveza para o próximo ano.

Um ponto importante: você não precisa criar vários objetivos. Crie poucos, mas que farão a diferença. Seja cautelosa e, na medida que vai avançando, permita-se criar novos.

Em meio a tantas opções, escolha, preferencialmente, ser seletiva. Não é porque o outro faz alguma coisa que você precisará fazer a mesma – inclusive, isso pode tirar seu equilíbrio.

Dezenove dicas para você construir o seu equilíbrio:

  1. Tenha claro o que faz sentido na sua vida.
  2. Dê limites, aprenda a dizer SIM ou NÃO. Quando aceitamos qualquer coisa, muitas vezes nos desequilibramos, pois na maioria das vezes fazemos coisas que não fazem sentido na nossa vida.
  3. Foque nas áreas da sua vida e construa objetivos reais e atingíveis, um de cada vez.
  4. Crie um planejamento que contemple “como” e “quando” você fará cada coisa.
  5. Busque incluir, diariamente, atividades relacionadas a lazer, vida social, espiritualidade.
  6. Seja original e incentive sua criatividade. Tenha momentos de relaxamento, pois nessas horas sua criatividade está a mil.
  7. Evite permanecer semanas ou mesmo meses focada em apenas um projeto. Lembre-se de que sua vida é um todo e você é o responsável por cuidar dela.
  8. Não fique presa na busca por respostas. Essa obsessão pode cegar as oportunidades.
  9. Sempre que necessário e oportuno, descanse, tire férias.
  10. Busque se desconectar pelo menos algumas horas no final de semana.
  11. Faça atividades que estão fora do seu hábito.
  12. Tenha contato com a natureza.
  13. Cuide de uma planta.
  14. Tenha uma alimentação saudável.
  15. Faça atividade física
  16. Tenha algum envolvimento social – contribua com o mundo. Ele precisa de todos nós.
  17. Se hoje não deu certo, recomece amanhã. Enfrente os obstáculos e crie oportunidades.
  18. Evite a rigidez. Cuide de você. Faça com atenção e carinho suas atividades.
  19. Dê sentido e significado para aquilo que você está fazendo.

Espero que tenham gostado e aproveitem as dicas.

Até a próxima.

Um beijo,

Janaína Leão: Psicóloga e Coach

@psicologa_coach   |    janaina@janainaleao.com.br     |    www.janainaleao.com.br

,

O que as crenças têm a ver com a minha vida financeira? Tudo!


26 • 11 • 2018
por Janaína Leão

Olá meninas, tudo bem com vocês?

O que as crenças têm a ver com a minha vida financeira? Tudo!

Hoje damos continuidade ao nosso último assunto trazido no texto “Você tem se preparado financeiramente para sua vida?”. Se você não o leu, sugiro que faça a leitura.

As crenças podem trazer prejuízo à nossa vida. Mas há uma boa notícia: toda crença pode e deve ser trabalhada, principalmente as ruins, que podem nos prejudicar, atrapalhar e causar muito sofrimento. Mas o que é uma crença?

É  algo que você construiu na sua mente, de que tem certeza e em que acredita piamente. É um padrão rígido e repetitivo de viver a vida. As crenças são adquiridas no nosso desenvolvimento – tudo aquilo que você viu, ouviu, sentiu e como viveu vai “desenhando” o seu padrão de entendimento. As crenças vão sendo formadas a partir de então.

Crenças limitantes são pensamentos que atrapalham sua vida. Na medida que você se propõe a entender o sentido e o significado delas,perceberá o quão fantasiosas são – sem falar que servem apenas para restringir a sua vida, seus comportamentos, suas escolhas.

As crenças positivas devem ser mantidas, pois elas nos impulsionam. As irracionais, por outro lado,devem ser desconstruídas. Como fazer isso? Dificilmente conseguiremos trabalhar as crenças irracionais sozinhos, porque é muito difícil reconhecê-las. Para lidar com elas, você precisará de ajuda profissional para entender o motivo de sua existência e desconstruir as que não forem positivas. Uma forma de fazer isso é perguntando-se quais são as evidências de que a crença é verdadeira, quantas vezes ela aconteceu. Também é possível questionar-se: Se eu contar sobre minha crença para uma pessoa, minha fala fará sentido? Meu relato servirá para meu ouvinte? Eu sou o comportamento retratado na minha crença 24h por dia, 7 dias da semana? Qual é a emoção que eu sinto quando falo sobre ela? Por qual pensamento e comportamento posso substituí-la? Uma forma de trabalhar as crenças é relativizar sobre elas, por isso é importante que você converse com outra pessoa a respeito.

Em relação a dinheiro, qual é a percepção que você tem sobre o assunto? Investir? Gastar? Não ter reserva?

Sua resposta falará da sua crença que, possivelmente, terá uma ligação com aquilo que você aprendeu ou viu na sua infância acerca do tema.

Lembre-se de que você pode aquilo que acredita que pode. Fique atento na sua fala e principalmente no que você acredita. Quando trabalhamos crenças,estamos falando de padrão de pensamento e comportamento. Falamos também de escolha e ação. Talvez você esteja agindo de uma forma – em função das suas crenças limitantes –, e gostaria de agir de outra.

Uma dica para reconhecer suas crenças é escrever a respeito delas. Atente-se para as que considerar limitantes e esforce-se para desconstruí-las. Dá trabalho, mas é possível. Não adianta focar só no comportamento – é preciso ir na “base” e descobrir por que, como e desde quando você acredita nelas.

Até a próxima.

Um beijo,

Janaína Leão: Psicóloga e Coach

@psicologa_coach   |    janaina@janainaleao.com.br     |    www.janainaleao.com.br

,

Você tem se preparado financeiramente para sua vida?


12 • 11 • 2018
por Janaína Leão

Olá meninas, tudo bem?

Todo mundo tem um modelo de sucesso e riqueza registrado no subconsciente e é ele que determinará a sua organização e planejamento com o dinheiro.

Hoje eu trouxe algumas reflexões acerca do assunto para ajudá-la a entender a sua relação com o dinheiro.

Você já comprou algo que queria muito, não se endividou com a compra e se sentiu culpada? Você consegue guardar e fazer investimentos com o seu dinheiro? Quando está começando a diminuir os gastos e finalmente pronto para guardar dinheiro, faz uma dívida “do nada”? Ter dinheiro para você significa o quê?

Por muito tempo, falar de dinheiro ou ainda falar que tinha dinheiro era visto com maus olhos. O dinheiro era (e ainda é para muitos) considerado algo ruim, pejorativo, necessário apenas para manter o básico na vida. Há também quem pense que quem o tem é sortudo ou mesmo aproveitador (o que diz respeito à relação de dinheiro com honestidade). Raramente o ter dinheiro estava e está atrelado a pessoas que trabalham muito, que guardam um percentual do seu salário e investem-no

Há uns anos, surgiram muitos estudos que correlacionam a psicologia e o dinheiro. O significado que você dá, a forma como se relaciona e como entende o que é dinheiro vem do padrão familiar, ou seja, da relação que seus pais e avós tinham com ele. Para entender as crenças que você tem, portanto, é preciso olhar para seus familiares.

Em outros textos, já abordei o processo de diferenciação. Ele é muito importante, e no que tange a sua relação com dinheiro será determinante, inclusive para desconstruir crenças irracionais. Cada pessoa vai se relacionar de uma forma com ele. Se você não passou pelo processo de diferenciação e individuação familiar, terá uma maior probabilidade de repetir comportamentos indesejáveis e, às vezes, desastrosos. A fusão familiar e o medo de deixar de pertencer à família fazem com que muitas pessoas repitam o padrão familiar. Fazer as coisas de forma diferente é apenas uma questão de aprendizado – você continuará fazendo parte de sua família com amor, respeito e admiração.

Se você quer respostas diferentes, precisará olhar para seu padrão de pensamento e comportamento e atualizá-los. Não tem como ter respostas diferentes fazendo sempre a mesma coisa.

Você considera que a sua relação com o dinheiro é de escassez ou abundância? Para ajudá-la a refletir, gostaria que pensasse sobre os itens abaixo e se possível escrevesse em um caderno as respostas:

  • Como foi a relação de seus avós com dinheiro? Eles gastaram, investiram? Perderam tudo?
  • Q que seus pais sempre falaram para você a respeito do dinheiro?
  • Quando você compra algo, sente-se feliz pela aquisição ou culpado por ter gastado?
  • Dinheiro deve ser compartilhado?
  • Dinheiro não traz felicidade?
  • Pessoas ricas são invejadas?
  • Negociar – pedir desconto – é feio, vergonhoso?
  • Falar quanto ganha ou quanto gasta é considerado deselegante?
  • Como você cuida de seu dinheiro e valoriza-o?
  • Quais são as crenças irracionais a respeito do dinheiro que você herdou da sua família?
  • Você investe ou gasta todo o seu dinheiro como se não houvesse amanhã?
  • Ter dinheiro dá muito trabalho?
  • Só tem dinheiro quem é muito inteligente?
  • O dinheiro aprisiona, gera insegurança?
  • Ter dinheiro é ter liberdade?

Se você marcou muitos “SIM”, sugiro que busque ajuda profissional para trabalhar sua crenças e poder se sentir livre para cuidar do seu dinheiro. No próximo texto darei continuidade ao assunto e espero contribuir positivamente na vida financeira de vocês.

Fique atenta: o primeiro passo para mudar é reconhecer as crenças irracionais.

Até a próxima.

Um beijo,

Janaína Leão: Psicóloga e Coach

@psicologa_coach   |    janaina@janainaleao.com.br     |    www.janainaleao.com.br

página 1 de 13