,

Síndrome da Amnésia Glútea


17 • 10 • 2018
por Equipe Pink Fit

Oi meninas, tudo bem com vocês?

Muitas pessoas sofrem de dores no joelho ou lombar e nem sequer relacionam estas lesões com a musculatura glútea. Ou não conseguem ativar/ sentir o glúteo em determinados exercício de membros inferiores e esteticamente não possuem um glúteo aparentemente bonito.

Tudo isso pode ser resultado de uma síndrome chamada de amnésia glútea em que os músculos estão fracos, principalmente pelo estilo de vida inativo e a falta de consciência corporal que causam retardo ou inativação da musculatura do glúteo por inibição de conexões neuromuscular adequadas que acabam causando padrões compensatórios.

A região glútea é formada pelo glúteo máximo, médio e mínimo, que são complementares entre si. O glúteo máximo reveste os músculos mínimos e máximos, é responsável principalmente pela extensão, abdução e rotação externa de quadril. O glúteo médio é um músculo muito importante para estabilização dos membros inferiores por sua ação anti-abdução do fêmur e abdução de quadril. E o glúteo minimo que age na abdução de quadril também é o maior rotador interno de fêmur

Os problemas mais aparente da amnésia glútea são:

⭐encurtamento dos músculos do quadríceps, psoas, tensor da fáscia lata, bíceps femoral e gastrocnêmio.

⭐fraqueza dos músculos glúteo médio, piriforme, semitendinoso, reto abdominal e oblíquos abdominais.

⭐falta de alinhamento do pé, joelhos e quadril, que causam dificuldade de estabilização de quadril e instabilidade principalmente em movimentos unipodais, trazendo maiores risco de lesões

⭐Trigger points

⭐Fechamento de cadeias

⭐Dor joelho, porque a amnésia glútea causa rotação interna excessiva, pressão na patela, joelho valgo e pé em pronação

⭐Dor lombar, principalmente porque a fraqueza do glúteo torna os isquiotibiais dominantes na extensão de quadril e ilipsoas mais fortes e acabam fazendo uma translação anterior do fêmur no acetábulo.

Através de um treinamento é possível evitar possíveis lesões e/ou alterações posturais com treinos de coordenação, consciência corporal, mobilidade e estabilidade das articulações do corpo, alongamento de musculatura, liberação de cadeias tensas e fortalecimento para melhorar os déficits de instabilidade postural e muscular.

Nós, da Pink Fit Training,  desenvolvemos treinos em que você ativa de forma adequada seu glúteo para que você tenha a sua melhor versão e, ainda, realize um treino muito muito mais eficaz e com resultados garantidos em termos estéticos e biomecânico.

Contem conosco!

Beijos

Equipe Pink Fit

Contato @pinkfittraining | www.pinkfit.com.br | contato@pinkfit.com.br| Tel.: (11) 98274-3422

,

5 Continent Congress | Barcelona


26 • 09 • 2018
por Clarissa Rittes

Olá meninas!

Estou voltando após alguns dias de férias e o Congresso em Barcelona, com muitas novidades para dividir com vocês. Esse mês, eu e a doutora Patrícia estivemos no 5 Continent Congress, evento anual em que médicos dos cinco continentes se reúnem para dividir o que existe de mais novo no mundo da beleza. Por incrível que pareça, a medicina estética está evoluindo em velocidade surpreendente, tanto pela comunicação e troca que atualmente é muito mais fácil, quanto pelo fato das técnicas e tecnologias estarem cada vez mais lapidadas e potentes.

Foram diversos temas, mas hoje vou focar nos tratamentos corporais. Nunca a medicina estética e a cosmiatria focaram tanto no corpo. Como foi dito em uma das aulas: o bumbum é agora a nova face. Isso pode estar tão em evidência em razão das redes sociais ou por causa da melhora das tecnologias.De qualquer forma, as pesquisas recentes apontam que depois da face, o segundo lugar onde os homens e mulheres prestam mais atenção é o bumbum.

Entre as novidades, além de tratamentos para flacidez e gordura localizada, agora temos opções não invasivas para promover um aumento do bumbum e mudança de formato. Duas novidades me chamaram atenção, uma delas tem previsão de chegada no Brasil no ano que vem. É um aparelho capaz de aumentar em até 20% o músculo e queimar a mesma proporção em gordura. O aparelho em questão também pode ser regulado para apenas aumentar o músculo, caso o paciente não queira perder gordura.

Pode ser usado na região abdominal, glúteos, braços, pernas , e consiste em uma placa que emite um campo eletromagnético que promove contrações involuntárias. Diferente de outros aparelhos disponíveis hoje no mercado, como o “ coletinho “ que dá choque e também promove a contração involuntária do músculo, por se tratar de um campo eletromagnético e não uma corrente, a contração é muito mais intensa e pega todo um grupo muscular. Por isso, diferente das tecnologias atuais como o X body, nesse aparelho o paciente fica deitado de repouso e não realizando exercícios. Isso porque o campo eletromagnético causa em média 20 a 30.000 contrações musculares MÁXIMAS em 30 minutos, o que causa fadiga muscular e hipertrofia. Dependendo da modulação do aparelho, essas contrações podem causar um grande aumento do metabolismo local e, consequentemente, as células de gordura morrem. Nos casos onde não queremos perder gordura (bumbum em alguns casos), basta regular o aparelho para somente hipertrofia.

A tecnologia está sendo estudada há anos e já está desde o começo de 2018, trazendo muitos resultados positivos na Europa e EUA. São recomendadas quatro sessões, mas apenas duas por semana, e a massa muscular é mantida desde que o paciente faça manutenção com musculação. Muito interessante para quem já treina, para dar um “up” no resultado, pois quando realizamos contrações voluntárias com peso (musculação), acabamos tendo vícios de movimento e postura. E assim, não ativamos toda a região, pois “ roubamos” e fazemos mais força nas partes onde estamos acostumados, poupando algumas regiões, diferente do campo que causa uma contração generalizada de todo o grupo muscular tratado. E, para quem não treina, seria um incentivo para ajudar a dar um “boost” inicial.

Não sabemos quanto vai custar a tecnologia aqui. Na Europa, o aparelho custa 280 mil euros e as sessões variam em média de 750 a 1,500 euros. Estamos ansiosas aguardando o aparelho chegar ano que vem. Além disso, muito se falou sobre procedimentos para um leve aumento no tamanho do bumbum e, consequentemente, mudança no formato.

Uma técnica muito interessante que vi, foi a aplicação de ácido poli l latico (bioestimulador) em grande quantidade. Quatro ampolas por lado, por sessão, em regiões específicas que geram uma sustentação na parte de cima do bumbum. Essa sustentação faz o bumbum empinar, ficar mais redondo e também melhora o aspecto da pele e reduz a celulite.

Mas a técnica é complexa e, para resultados que valham a pena o investimento – 8 ampolas por sessão fazem o tratamento ser muito caro -, e também para garantir a segurança do procedimento, é indicado que ele seja realizado por médico experiente

Consulte sempre seu dermato para saber o tratamento mais indicado para sua pele e corpo .

Espero que gostem das informações e se cuidem!

Beijos e até a próxima coluna,

Dra. Clarissa Rittes

Para mais informações: Tel:. (11) 3045-4167 | IG: @clarissarittes

,

O agachamento | O “Rei dos Exercícios”


11 • 09 • 2017
por Equipe Pink Fit

⁠⁠⁠Olá meninas,

O texto de hoje é da professora Bruna Crachi.

Muitas pessoas acham que o agachamento é um exercício apenas para o quadríceps, a parte da frente da coxa. Entretanto, quando bem executado, o agachamento trabalha a perna como um todo, assim como glúteos e core. O “core” é o centro do nosso corpo. É o conjunto de músculos responsável pelo nosso equilíbrio e pela adequação postural do tronco em qualquer movimento.

ATENÇÃO: Cuidados na execução do exercício são fundamentais para um bom desempenho e resultado:

  • não inclinar o tronco excessivamente à frente;
  • não fazer uma retroversão do quadril (colocar o bumbum para dentro);
  • manter a curvatura lombar correta.

Invista em aprender a execução do exercício e desfrute de seus benefícios.

Um beijo,

Bruna Crachi e Equipe Pink Fit

Contato @pinkfittraining | www.pinkfit.com.br | contato@pinkfit.com.br| Tel.: (11) 98274-3422

página 1 de 2