,

Pouco Tempo Para Treinar? Melhor Se Exercitar Ou Ficar Em Casa?


24 • 04 • 2017
por Michelle Amorim

Meninas tudo bem?

Estou com uma rotina bem atribulada. Além de uma bebê de 4 meses e outra filha de 6 anos, tenho ainda as aulas de Personal e o dia a dia como sócia da equipe Pink Fit.

Então, o tempo do treino está corrido e estou me policiando para aproveitar os curtos períodos que tenho para me cuidar e resolvi dividir isso com vocês.

Você tem um tempo restrito para treinar e prefere não ir por que não conseguirá ficar 1 hora na academia? É melhor treinar pouco tempo ou não fazer nenhum exercício?

Com certeza é melhor treinar pouco tempo.

Em apenas 20 minutos, você poderá fazer muita coisa na academia. E 20 minutos de exercícios diários são o suficiente para que você seja considerado uma pessoa ativa, além de colher benefícios.

Você pode escolher fazer exercícios aeróbicos e montar um treino intervalado na esteira, escada, bicicleta, de acordo com sua residência e respeitando sua frequência cardíaca. Por exemplo:

1 minuto leve

1 minuto moderado

1 minuto forte

Também pode escolher um treino de circuito funcional, sem descanso e repetindo a série 2 ou 3 vezes:

1 exercício para costas

1 exercício para perna

1 abdominal

1 exercício de agilidade

Ou caso prefira optar pela musculação,  escolha dois grupos musculares por treino, como  costas e peitoral e realize os exercícios nas máquinas ou estilo livre, mas dê preferência para séries sem descanso, para chegar à fadiga e otimizar o tempo.

Entretanto, lembre-se que para sua segurança e eficiência desses treinos, você precisa do acompanhamento de um professor de educação física.

Nós da equipe Pink Fit estamos prontos para lhe atender.

Espero que tenham gostado das dicas.

Agende sua avaliação de Biomecânica conosco.

Um beijo

Michelle Amorim

Contato @pinkfittrainingwww.pinkfit.com.br | contato@pinkfit.com.br| Tel.: (11) 98274-3422

,

Minhas Experiências Com Suplementação E A #Desafio30diasGiSaback


20 • 04 • 2017
por Gisela Saback

Bom dia, meninas.

Nunca fui gordinha, mas como já disse anteriormente, era uma falsa magra. Minha perna sempre foi muito fina, mas barriga, peito e braço eram os principais pontos de acúmulo de gordura. Eu não tinha muita simetria no meu corpo, demorei de entender e enxergar que a minha estrutura é magra e o que me incomodava eram as gordurinhas localizadas. Eu acreditava que essa simetria só seria obtida com pernas e bumbum maiores.

Lembro que no final de 2012, depois que terminei um namoro, coloquei na cabeça que queria ganhar perna e bumbum de qualquer jeito. Sempre treinei, mas sem tanta disciplina. Dessa vez a meta era chegar ao carnaval de Salvador “gostosona”. Fases, gente, quem nunca? Minha cabeça certamente não estava muito bem na época e eu provavelmente queria causar algum “impacto”!Rs

Iniciei um plano de hipertrofia e marquei uma consulta com um nutricionista famoso da época. Confesso que minha experiência foi muito ruim. Além da consulta ter durado aproximadamente 15 minutos, recebi uma dieta praticamente impossível de seguir, porém, não desisti. Quando coloco algo na cabeça, vou até o final. A dieta consistia basicamente em frango com batata doce em diversos horários do dia e MUITA suplementação, que variava de Whey Protein, blends de proteína, caseína, BCAA e fórmulas manipuladas.

Além de gastar muito dinheiro, eu comia muito, mesmo sem sentir fome. A minha alimentação era 100% enquadrada em um pedaço de papel. Parei de beber, parei de comer doce, parei de comer tudo, mas comia MUITO, então qualquer coisa fora da dieta tinha um impacto maior do que deveria ter.

Pesquisei na internet, por alto, o que era cada tipo de suplemento, mas nunca hesitei em tomar nenhum deles, o que é um erro tremendo e vejo muitas pessoas cometendo. Você não come capim porque alguém mandou, certo? Como o nutricionista sabia que aquilo me faria bem, se ele conversou comigo durante apenas 15 minutos? Se quer solicitou exames de sangue!

Os suplementos certamente não me fizeram bem. Tive problemas com a minha tiroide, meus hormônios ficaram desregulados, fiquei inchada, treinava muita musculação e zero aeróbico, além do fato de que virei uma pessoa completamente antissocial. NO ENTANTO, meu objetivo foi atingido, sai do 36 para o 38.

Quando a meta vira uma obsessão algo está errado. Em determinado momento, me olhei no espelho e não conseguia mais enxergar quem eu realmente era e qual o meu propósito. Foi a partir dai que mudei radicalmente a minha alimentação. Me apaixonei pela corrida, bike e qualquer tipo de exercício aeróbico, que me traziam e trazem a melhor sensação de bem-estar e dever cumprido.

Juntamente com a minha endocrinologista, Patricia Salles, regulamos meus hormônios e passei a me alimentar de forma simples, com comida de verdade. Minha dieta era rica em proteínas, gorduras e carboidratos de baixo índice glicêmico. Comia quando sentia fome, não por obrigação e nunca deixei de me exercitar regularmente.  Passei a entender, escutar e, principalmente respeitar o meu corpo. Me privei sim, porque não sou hipócrita de dizer que batata frita não é gostoso, mas por hábito e escolha preferia me nutrir com outros tipos de alimentos. Chegou um ponto que eu realmente não sentia vontade de batata frita e desejava minha salada, meus legumes, sou assim até hoje.

Por essas e outras, acredito tanto na mudança de hábito, mudanças progressivas e melhores escolhas. Lancei um desafio no instagram #Desafio30diasGiSaback o qual sustenta a minha teoria. Não é restringir por 30 dias 100% de alimentos nocivos à saúde, como industrializados, farinha branca, açúcar refinado, fritura e álcool e sim, evitá-los na medida do possível, até porque excluir um alimento por determinado período, às vezes, pode provocar mais vontade de consumi-lo e, quando o prazo termina, o efeito rebote é avassalador. Consciência e equilíbrio são os ingredientes necessários para se ter sucesso em dietas duradouras e saudáveis.

O objetivo do #Desafio30diasGiSaback é fazer com que você tenha motivação para a prática da atividade física regular e para melhorar a alimentação, diminuindo/ excluindo (na medida do possível) alimentos nocivos à nossa saúde. É pensar antes de comer, antes de fazer um pedido no restaurante, antes de beber aquela segunda garrafa de vinho desnecessária. Após esse período você certamente irá sentir a melhora na sua disposição, humor, pele, autoestima. Falo não por conhecimento cientifico, pois não sou médica, nem nutricionista, mas baseado na minha vivência durante esses 4 anos. Pense que 30 dias podem se tornar uma vida inteira.

Enfim, hoje vivo sem neuras, sem aprisionamento a um pedaço de papel e sem objetivos mirabolantes exceto meu bem-estar, que sim, está ligado a estética e autoestima. Estou longe da perfeição, mas feliz com meu corpo. Gosto de estar magra, assumi minhas pernas finas e no decorrer deste tempo (não é da noite para o dia), as gordurinhas foram eliminadas, trazendo a tal simetria desejada.

Vale ressaltar que não sou nem um pouco contra suplementação e hoje faço uso consciente dos mesmos, apenas gostaria de fazer um alerta, para que escolham e confiem no seu nutricionista e nunca deixem de pesquisar e ter conhecimento daquilo que você está consumindo. Seu corpo é o seu maior bem, cuide-se! Emagrecer, engordar, ganhar massa não deve e não pode estar à frente da nossa saúde.

Com carinho,

Gi Saback

@giselasaback

,

Cuidados Com A Pele Do Pescoço


20 • 04 • 2017
por Clarissa Rittes

Olá meninas!!

Como falei na última coluna, essa semana o tema será pescoço e um pouco do colo.

Essas regiões são diariamente expostas à radiação solar, porém nós não temos o hábito de lembrar de proteger e cuidar. Tanto o colo como o pescoço, e todas as áreas expostas à luz solar, também sofrem fotodano (expliquei sobre isso na coluna passada). E, devido a esse dano solar cumulativo, essas regiões costumam envelhecer rapidamente.

O primeiro passo é a prevenção, o uso de protetor solar diário tanto no colo como no pescoço é essencial para prevenir manchas, vasos, lesões malignas e o envelhecimento, causado pela perda do colágeno local. Além de proteger, atualmente existem diversos produtos com ativos que clareiam e retardam o envelhecimento. Porém, essa pele tem menos glândulas sebáceas que a pele do rosto e, por isso, pode ser mais sensível. É essencial consultar o médico dermatologista para saber qual o melhor ativo e sua concentração ideal para seu tipo de pele.

Pessoas que já sofreram perda de colágeno e já apresentam flacidez devem procurar o dermatologista, pois existem várias opções de tratamento para flacidez, dependendo do seu grau e causa.

Começamos pelas peles mais jovens: em geral, pessoas muito claras, ou que já se expuseram muito ao sol, ou fizeram bronzeamento artificial, podem ter já ter sinais de flacidez aos 30 anos. Nesses casos, podemos usar aparelhos para estimular a produção de colágeno, melhorando muito a condição da pele. A radiofrequência é uma excelente opção. O número de sessões e a escolha da radiofrequência vai depender de muitos fatores como tipo e cor da pele, além da condição do restante do rosto. Lembrando que radiofrequência é o nome da tecnologia e hoje existem milhares disponíveis no mercado, desde as mais poderosas que “resolvem” o problema, às mais leves que não fazem muito efeito.

Já para peles mais maduras, a combinação do laser de Neodimio com o de Erbium em tecnologia robótica, é uma excelente opção para estímulo de colágeno e melhora de flacidez, sem downtime (tempo de recuperação). Em casos de muita flacidez e linhas , podemos combinar as duas tecnologias e associar a outros procedimentos , como a toxina botulínica (paralisa a musculatura que “puxa para baixo” e diminui as linhas do pescoço, além de definir o contorno), ou sustentação na mandíbula e Malar (MD codes), pois uma das causas do envelhecimento do pescoço , além da perda de colágeno e da gravidade, é a queda da região malar, que “pesa” em cima dos músculos do terço inferior, os estimulando a ficar mais fortes, e consequentemente “puxando ” tudo para baixo. A quantidade de procedimentos, escolha dos mais adequados e número de sessões dependem da avaliação feita pelo médico dermatologista durante a consulta médica.

Espero que tenham gostado, próxima coluna falaremos sobre o rejuvenescimento do colo.

Beijos e até a próxima coluna, Clarissa Rittes.

Para mais informações: Tel:. (11) 3045-4167 | IG: @clarissarittes

 

página 2 de 196