,

Precisando melhorar ou fortalecer seu relacionamento?


16 • 05 • 2017
por Luciana Panteleiciuc

Olá meninas, tudo bem?

Como anda seu relacionamento íntimo? Bom? Ruim?

Hoje quero falar sobre polaridade feminina e masculina e como podemos usar estas energias a nosso favor e criar relacionamentos felizes e duradouros. Vamos lá?

Alexandre chega em casa depois de um dia difícil no trabalho. Ele fala com a sua esposa Luiza, sobre os desafios que ele teve com seus colegas de trabalho e seu chefe. Ela ouve e o conforta sentindo sua dor e falando como deve ser frustrante o que ele passou. Alexandre se sente acolhido e os dois estão em sintonia energética e no relacionamento.

Luiza chega em casa depois de um dia difícil no trabalho. Ela fala com seu marido Alexandre sobre isso. Ele, como a maioria dos homens é focado em resolver problemas. Ele corta ela antes que ela termine de contar sobre seus problemas e traz a solução, ensinando-a como ela pode resolvê-los. Tudo que ela queria era ser ouvida. Ela fica cada vez mais chateada. E sai de cena triste dizendo que ele não “entende” ela.

O que aconteceu em cada situação? No primeiro cenário, a energia feminina é alta, capacidade de ouvir, criar empatia se colocando no lugar do outro e afinidade de sentimentos. A energia masculina é baixa, então o casal é facilmente capaz de estabelecer um equilíbrio de energias.

Entretanto, no segundo cenário, a energia masculina é alta, ou seja, capacidade de resolver problemas, foco, determinação, coragem e ação. E a energia feminina é baixa, o que faz surgir, neste caso, desafios. Luiza quer ser ouvida, Alexandre quer resolver seu problema! Por que é isso acontece? E que tipo de mudança permitirá que Luiza e Alexandre se conectem um com o outro?

Aqui está o segredo: no jogo da vida do relacionamento íntimo você tem que conhecer e entender o que é energia feminina e masculina. Se você dominar isso, vai mudar tudo.

COMPREENDENDO AS DIFERENÇAS BÁSICAS

Homens masculinos e mulheres femininas são espécies praticamente diferentes. A força feminina tem algo que um homem extremamente masculino jamais entenderá. Ou seja, as mulheres experimentam tudo o tempo todo. A razão para isto é porque o cérebro feminino tem o que é chamado de “consciência difusa” – um instinto biológico que faz com que as mulheres estejam inteiramente cientes do que acontece a sua volta o tempo todo. Esse instinto começou a milhares de anos como uma questão de sobrevivência, e evoluiu para uma necessidade profunda de mulheres de conversar, compartilhar e descobrir o que elas estão sentindo. Até mesmo algo tão comum como falar no telefone é um meio de satisfazer esse instinto. Na verdade, as mulheres podem conversar por horas e, em seguida, nem mesmo lembrar os detalhes. Porque não se trata do conteúdo, trata-se de conexão e compartilhamento. Elas compartilham seu problema porque precisam de conexão. Ela quer que seu homem a sinta. Ela quer que seu homem mostre que ele entende suas emoções.

A energia masculina, por outro lado, não quer compartilhar problemas, quer resolvê-los. Então um homem muito masculino vai pensar: “O que há de errado com você? Por que você continua falando sobre esse problema? Por que você não faz algo para resolvê-lo?

Um homem masculino simplesmente não estará naturalmente aberto para entender as emoções femininas neste momento. Mas quando um homem não faz isso, a mulher se sente rejeitada. Ela se sente sozinha e ela o vê como arrogante e insensível. Ela pensa: “Ele acha que ele é melhor do que eu. Ele não se importa comigo.” Sim, isso pode ser verdade para a mulher, mas não é verdade em um mundo masculino.

Por outro lado, o homem se sente frustrado com a insatisfação da mulher, ele tende a criar significados ruins. Ele pode pensar que sua mulher não confia nele ou não vai deixá-lo resolver o problema. Ele pode pensar que a mulher não acredita que ele pode resolver o problema, ou que ele não é capaz de fazê-la feliz. E, em última instância, o homem vai pensar: “Nada que eu faço é bom, isso nunca vai funcionar. Eu não poderei nunca fazê-la feliz. Nada a fará feliz.” Mas quando um homem começa a pensar assim, o relacionamento está em perigo. O relacionamento não está crescendo, e se não há progresso no relacionamento, ele está morrendo.

Veja, o problema não é o que cada um está fazendo ou deixando de fazer, mas é o significado que você e ele estão dando para isso – e não é verdade. Nós pensamos que os homens são como mulheres e as mulheres são como homens. Mesmo que intelectualmente saibamos que não, quando nossos parceiros fazem qualquer coisa, nós interpretamos errado, ou seja, através das lentes do nosso mundo feminino.

O QUE FAZER?

O homem faz uma coisa de cada vez. Esse é o cérebro masculino – foco puro. Mas uma mulher tem o poder de se concentrar em tudo simultaneamente, ela quer ser ouvida e se sentir compreendida – que é o que lhe traz cura. Se um homem aprender a ouvir, e aprender a apreciá-la e a forma como seu cérebro funciona, isso se tornará uma das ferramentas mais poderosas em um relacionamento.  Assim uma mulher se sente compreendida e valorizada.

Isso vai exigir que você tenha mais presença e compaixão, que você dê um passo para trás e avalie toda a situação, mesmo quando você se sente injustamente tratada. Isto é, quando você dominar sua emoção e o significado que você atribui a experiências e eventos em sua vida, tudo vai mudar, para melhor. Para concluir, entenda que dominar as energias feminina e masculina vão lhe fazer estar mais conectada com o seu parceiro, mais do que nunca.

E ATENÇÃO: não tenha vergonha de pedir ajuda. O Coaching é muito poderoso e pode te ajudar a chegar onde você quer mais rápido e com mais precisão. Você precisa de direcionamento, de estratégias, de ferramentas. Não estamos aqui para chegar onde queremos sozinhas. A ajuda de um mentor é muito poderosa.

Envie um e-mail para coachlupante@gmail.com e coloque no assunto: ”Sou leitora do Blog da Lala Rudge” e peça mais informações sobre o meu programa exclusivo de Coaching para Mulheres.

* Luciana Panteleiciuc é master coach e mentora de Liderança Feminina, escritora e palestrante, possui uma carreira de mais de 30 anos como executiva desenvolvendo, gerindo e liderando pessoas. Graduada em Administração de Empresas pela FAAP com especialização em marketing, é formada em Coaching pelo Instituto Holos. É sócia-diretora da Binah Marketing, consultoria de desenvolvimento humano e marketing, além de ser responsável pelo site https://www.coachdemulheres.com.br/.

Um beijo,

Lú Panteleiciuc

IG: @coachlupante | Fb: Coach Lu Pante | Youtube: Canal LuPanTV 

 

,

Beleza Natural | Brilho Na Pele


16 • 05 • 2017
por Roseli Siqueira

Olá meninas!

Hoje tenho uma dica simples, mas muito especial para vocês.

Nesta época do ano, o clima mais seco deixa a pele – do rosto e corpo – muito esticada e ressecada.

Os risquinhos aparecem como rugas precoces, pele mal tratada, e a aparência da face cansada, com olheiras e manchas tornam-se mais evidentes. Por isso, hidratar bem o corpo e cuidar especialmente do rosto diariamente, isto é, deixar a pele umectada e trabalhar a circulação com massagem é extremamente importante.

Dentro deste contexto, aconselho o uso de uma máscara facial para a correção da pele e um bom hidratante para o corpo após o banho. Tanto a máscara quanto o hidratante corporal tem o papel fundamental de reter água na pele e promove uma vitalidade imediata. A massagem ativa também a circulação e absorve melhor a hidratação, conservando a maciez natural da pele nessa estação do ano.

Cuido da Zezé Polessa há 20 anos e veja como ela está linda na novela, com a aparência jovial. Isso porque a pele está umectada e brilhante, ela cuida diariamente com as máscaras e os cosméticos Roseli Siqueira.

Para a pele ficar bonita e jovial é necessário um cuidado diário.

Para saber mais, acessem o meu site ou IG @roselissiqueira!

Beijos, Roseli Siqueira.

,

Depressão Não É Frescura


15 • 05 • 2017
por Janaína Leão

Olá meninas!

Hoje conversaremos sobre um assunto que, guardadas as proporções, é pouquíssimo falado: a depressão. Possivelmente você conhece alguém que já teve depressão ou que ainda faz tratamento, certo? No seu convívio familiar e social, alguém toma algum tipo de medicamento psiquiátrico, acertei?

Reconhecer um quadro depressivo não é uma tarefa tão simples, pois muitas pessoas ainda não acreditam nessa doença, falam que é “frescura” e “bobagem”. Quanto mais demorar o diagnóstico, maiores serão os danos causados e, inclusive, em muitos casos ocorre o suicídio.

Foi divulgada uma pesquisa em fevereiro deste ano pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que diz que a depressão afeta 322 milhões de pessoas em todo o mundo. Em dez anos (2005 a 2015) esse número cresceu 18,4%. Mundialmente, a prevalência é de 4,4% e no Brasil, 5,8% da população, aproximadamente 11,5 milhões de brasileiros sofrem com essa doença. O Brasil é o país com maior prevalência de depressão da América Latina e o segundo com maiores números nas Américas, ficando atrás somente dos Estados Unidos, que têm 5,9% de depressivos. Sobre o suicídio, em 2015, 788 mil pessoas morreram e isso representou quase 1,5% de todas as mortes no mundo, figurando entre as 20 maiores causas de morte em 2015. Entre jovens de 15 a 29 anos, o suicídio foi a segunda maior causa de morte em 2015. Pesquisas indicam que a cada hora uma pessoa se suicida no Brasil.

Em outros textos já comentei com vocês que o estresse crônico, se não tratado, pode evoluir para uma psicopatologia, lembram? Somado a isso, acontecimentos do dia a dia, como por exemplo: conflito constante, morte, demissão, doença, relacionamento doentio, divórcio, trauma, aposentadoria e falência, são fatores que podem desencadear sintomas depressivos. As causas incluem também genética, uso de drogas e álcool, alteração em alguns neurotransmissores (serotonina, noradrenalina, dopamina, acetilcolina e acido gama aminobutírico (GABA), etc.

A forma como encaramos as dificuldades, os problemas e obstáculos representam a nossa estrutura psíquica e percepção. Não significa que se para fulano o “evento x” não causou impacto, para você ocorrerá da mesma forma. Entender e aceitar que cada pessoa tem uma forma intransferível de ver, fazer e sentir a vida.

Os sintomas da depressão vão muito além das alterações de humor, incluindo alterações psicomotoras e cognitivas.  A depressão, conforme o CID-10 e DSM5, pode ocorrer de forma leve, moderada e grave. Os principais sintomas são perda de interesse e prazer, perda de energia, cansaço, tristeza profunda, isolamento, desânimo, dificuldade de se concentrar, aumento ou diminuição do sono, agitação, irritação, perda ou ganho de peso, diminuição da libido, sentimento de inutilidade, indecisão, pensamentos de morte e ideação suicida, etc. O número e a gravidade dos sintomas determinarão o grau da depressão.

Se você possui esses sintomas há algum tempo e eles são diários, busque ajuda profissional. Converse com seu Psicólogo, Psiquiatra, Clínico Geral ou Ginecologista. Não guarde para você, busque ajuda enquanto há tempo. Lembre-se: não sinta vergonha e entenda que se você desenvolveu essa doença é porque possivelmente foi forte por muito tempo, enfrentou muitas coisas e uma hora o corpo fala.

Cuidem-se!

Até a próxima, um beijo

Janaína Leão: Psicóloga e Coach

@psicologa_coach  |    janaina@janainaleao.com.br     |    www.janainaleao.com.br

página 2 de 762