,

O casal lado a lado | Como construir um “nós”


17 • 09 • 2018
por Janaína Leão

Olá meninas, tudo bem?

O que somos hoje é resultado de várias gerações familiares que nos precederam. Somos histórias que de alguma forma já foram vividas e apenas atualizadas com as tecnologias de cada década. Com base nessa informação, é prudente fazermos uma breve reflexão sobre os relacionamentos dos nossos antepassadas, por meio de histórias contadas e vividas pelos nossos  bisavós, avós ou pais. Dessa forma,conheceremos um pouco mais sobre a maneira como nos relacionamos, o que buscamos no outro e o que esperamos.

Carência, frustração, ansiedade, insegurança, medo… Tudo isso ocorre com todas as pessoas em intensidades diferentes. Fato é: todo mundo já sentiu, sente ou ainda vai sentir algo assim. Entender que o seu tempo não é o tempo do outro e que o que faz sentido para você hoje pode estar muito distante do querer da outra pessoa, é dar espaço para o outro ser ele mesmo – acolhendo os pontos positivos e melhorando os negativos.

Para um casal se fortalecer é necessário um aceitar o outro como ele é. As mudanças vão ocorrer naturalmente, em função da convivência. O que acontece é que muito antes de ter intimidade com o outro e conhecer sua história, os casais já estão esperando por transformações significativas.

O casal quando se forma precisa estar disposto a construir um “nós”. A paixão e o amor que levam duas pessoas a construir uma vida em conjunto passa por diversos momentos e oscilações, durante toda a existência. Entender essas etapas poderá proporcionar vida longa ao casal. Acreditar que a paixão e o amor serão o mesmo do início é o começo de muitas frustrações, brigas e cobranças – com o famoso discurso de “antes você era assim”. Na realidade, antes éramos “x” ou  “y” porque muitos cenários não haviam ocorrido. A vida é uma junção de fatos e vamos nos remodelando através deles. O que fomos no passado já foi, pois ao longo do tempo vivemos experiências, aprendemos, conhecemos e experimentamos diversas sensações, comportamentos e atitudes, e isso vai nos mudando.

Quando formamos um par, formamos também uma base que se alia e busca conjuntamente enfrentar as dificuldades do dia a dia e não competir com ela. A existência de um par tem como objetivo facilitar e não dificultar a vida, incluir e não excluir. O casal precisa construir o “nós”, buscar o alinhamento que faz sentido para a família e, principalmente, entender que equilíbrio é movimento e que sempre haverá oscilações, leves (na sua maioria) mas, às vezes, mais bruscas.

Para enfrentar as adversidades, o casal precisa se esforçar e construir a sua forma de se relacionar – do mesmo modo que seus pais, seus avós e bisavós fizeram.

Com carinho, sugiro àqueles que queiram formar um par, se disponham a criar acordos que façam sentido para os dois, como forma de minimizar conflitos. Desejo que não sejam nem melhor nem pior que outros casais; apenas que tenham regras que os façam caminhar lado a lado.

Beijos e ótima semana!

Janaína Leão: Psicóloga e Coach

@psicologa_coach   |    janaina@janainaleao.com.br     |    www.janainaleao.com.br

Comente