,

Dicas para exercer a liderança com autoridade


23 • 11 • 2015
por Janaína Leão

Olá meninas!

A liderança ocorre tanto no ambiente corporativo como na vida pessoal e familiar. Para garantir que você a desenvolva, conheça a diferença entre dar limites e liderar pela via da autoridade e pela via autoritária. Reconheça por quais caminhos você percorre e garanta novos aprendizados.
Exercer e reprender de forma autoritária gera “eu mando”, ameaça, aponta culpado, desmoraliza, fiscaliza, gera medo, controle, insegurança, afastamento e desvalorização das pessoas com a qual se relaciona.
Já praticar a autoridade significa orientar, incentivar, assumir responsabilidades, acompanhar, confiar, gerar segurança, cuidado, proximidade e valorização para com as pessoas. É também dar limites e explicar os motivos. É construir em conjunto e não entregar o “castelo pronto e com regras”.
Repare nas suas relações com colegas, amigos(as), namorado(a), esposo(a), filhos(as) e até mesmo desconhecidos, qual o seu padrão relacional autoridade ou autoritário? Não se trata de ser um ou outro e sim de entender qual é o mais evidente. Lembre-se: autoridade aproxima, pois gera confiança. Já o autoritarismo afasta, pois incentiva poder e controle.
Como sempre menciono para vocês, o aprendizado se dá pela via do exemplo. É o que você faz, que seu filho provavelmente fará e não apenas aquilo que você fala. Certa vez escutei a seguinte colocação: “menino, aproximadamente 7 anos, disse ao pai: – eu amo batata doce. Seu pai no mesmo instante disse: – já te falei que não quero que você diga que ama qualquer coisa. Amamos poucas coisas na vida e não podemos amar batata doce. O menino rebate e diz: – você (pai) não é qualquer coisa e nem a batata doce, já a outra batata, se referindo a inglesa, eu gosto.”
A repreensão faz parte da vida, é saudável e através dela aprendemos novos comportamentos. Ao repreender, busque moderação, lembre-se que você também já errou e continua errando. Essa é a nossa condição de ser humano – acertar e errar; aprender e refazer. É preciso ter jogo de cintura, explicações coerentes, agir de acordo com valores e princípios e ensinar aos filhos que existem regras e exceções.
Escolha ser reconhecido não pela força e sim pela confiança. Gere cuidado e não apenas o controle. Busque pertencer, construir e não apenas apontar o certo e errado. Se envolva ao invés de ser mero espectador.

shutterstock_224815975

(Foto: Shutterstock)

Cinco sugestões para potencializar à autoridade.

  • Desenvolva a empatia que é capacidade de compreender sentimentos, emoções e reações de outra pessoa imaginando na mesma situação;
  • Seja impessoal. Diante de uma discussão, busque focar na situação e não na pessoa envolvida. Um item importante é entender que o erro não foi proposital e nem tentativa de atingir você;
  • Ao ensinar, conversar ou solicitar, olhe atentamente nos olhos do outro, evite alterar o tom da voz e passe a informação de forma clara, coerente e objetiva. Busque sempre perguntar o que o outro entendeu. Dessa forma você se certificará se foi compreendida;
  • Gere confiança ensinando pelo exemplo. Seja referência!;
  • Respeite o espaço do outro e sinalize quando você não estiver satisfeito, afim de evitar a famosa “bola de neve”.

Gostaram? Vamos Praticar? Dúvidas? Entre em contato.

Um beijo e até a próxima, Janaína Leão

Instagram: @psicologa_coach

Email: janaina@janainaleao.com.br

Site: www.janainaleao.com.br

 

Comente