Todos os artigos por Gisela Saback

,

Dieta Nova: A busca pela alimentação correta e a vida saudável


04 • 07 • 2017
por Gisela Saback

Bom dia, meninas,

Tudo bem?

Comecei uma dieta nova semana passada e estava ansiosa para compartilhar tudo com vocês. Para quem não leu o post sobre minha primeira experiência com nutricionista, leiam, vai ajudar a compreender o porque do meu medo em relação à ganho de massa e minha resistência em encontrar um profissional com quem eu me identificasse.

Nos últimos anos da minha vida, me interessei muito por alimentação e vida saudável, passei a conhecer meu corpo e adotei esse lifestyle. Não tinha objetivos específicos, queria ser saudável e manter meu corpo magro, com isso, mudei meus hábitos. No entanto, é FUNDAMENTAL o acompanhamento de profissionais qualificados para nos orientar, independente dos nossos objetivos.

Mesmo comendo muito saudável, eu tinha consciência de que alguns detalhes, mudanças estratégicas, poderiam fazer bastante diferença, não só no corpo mas na minha vida. O objetivo não era emagrecer, pelo contrario, eu sentia que para a intensidade dos meus treinos, comia pouco e em horários errados. Mas sabe o ditado “Faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço?” Pois bem, mesmo sabendo que eu estava perdendo gordura e ao mesmo tempo todo o meu músculo junto, eu continuava comendo pouco para a intensidade dos treinos e sobretudo, para meu objetivo.

Quando conheci a Yana, já bateu o santo, tivemos empatia e me senti segura para iniciar um planejamento voltado para o ganho de massa magra, sem ganho de gordura, pois estou feliz magra Rs.

Com a dieta nova, pretendo ganhar 2kg de massa muscular, visando saúde e também para dar simetria ao meu corpo.  Meu biótipo é magro, mas preciso de músculo. Todos nos precisamos! Quando digo músculo, não estou falando em ficar grande, gostosona, nada disso, até porque com a estrutura do meu corpo, sabe quando eu serei assim? NUNCA!!

Enfim, como a Yana mesmo disse, o objetivo inicial é organizar a casa. Eu já me alimento corretamente, agora é uma questão de ajustar horários, conciliar a alimentação com os treinos, perder o medo de comer certos alimentos e romper o paradigma de que quanto mais aeróbico eu fizer, melhor.

Eu tinha pânico de comer de 3 em 3 horas pois me gerava ansiedade e achava que era excesso de comida. Com 1 semana seguindo a dieta nova, vejo como é fundamental para o meu metabolismo (bastante acelerado), seguir essa prática. Por isso a importância do acompanhamento de profissionais da área. Dieta é individualizada, varia de acordo com seu metabolismo, rotina de treino, hábitos, genética, predisposição entre outros fatores.

Vou mostrar, resumidamente, como ficou a dieta, até porque minha nutri passou 5 tipos, que variam de acordo com horários de treinos, fim de semana e day OFF.

Em jejum tomo ½ limão espremido com 5 gotas de própolis para alcalinizar o PH do sangue e fortalecimento do sistema imunológico.

Pré treino tenho a opção do shake com ½ dose de whey, banana e frutas vermelhas ou café com óleo de coco, opção para os dias de treino de superiores e/ou quando vou treinar logo na sequência, pois não fico “empapuçada.”

Imediatamente após o treino, tomo ½ dose de whey isolada com água de coco (PROTEINA + CARBOIDRATO). Normalmente eu só comia 1 ou 2 horas após o treino. Como visamos ganho de massa, e o whey é fonte de proteína de rápida absorção, consumi-lo até 30 minutos após o treino é um momento oportuno para a formação e recuperação do músculo.

Café da manhã (1 horas após o treino), são 2 ovos + fruta com 2 colheres de cerais sem açúcar. Café preto está liberado, 3 a 4 xícaras por dia, sem adoçar hein!!

Para o almoço e jantar, continuam praticamente iguais, bem low carb, com 120g a 150g proteína magra (prefiro peixes e carnes brancas), legumes e verduras à vontade + gorduras boas, como azeite ou abacate. No jantar estou dando preferência aos legumes verdes.

Lanche intermediário 1 é sempre uma fonte de gordura, que pode ser de 20g de nuts (amêndoas, castanhas, macadâmia), 20g de chips de coco ou ½ avocado.

Lanche intermediário 2 (até as 18 horas – último carboidrato do dia). Pode ser panqueca proteica de banana, crepioca, muffins de abóbora, torradas sem glúten com avocado, iogurte (Yorgus ou Moo) com cereais sem açúcar, barrinha de proteína (gosto da Quest ou B ON). Como já falei antes, não devemos ficar engessados a um pedaço de papel. O legal é compreender a dieta e os alimentos sugeridos, para tornar as adaptações /substituições mais factíveis e sem neurose.

Recomendação de MUITA ÁGUA, meninas. É chato, mas não podemos esquecer de sempre ter uma garrafinha na mão. Sobre a suplementação: além do Whey no pré e pós treino, na ceia tomo ½ dose de Whey + 5g de glutamina + 5g de colágeno + lactobacilos manipulados, excelente para regularizar o intestino.

A dieta não ficou muito diferente do que eu já comia, estou amando. Como quero avaliar a reação do meu corpo com essas mudanças (principalmente pré, pós treino e lanches intermediários, os quais eu não costumava fazer), me desafiei ficar 1 mês sem beber. Não por extremismo ou noia, amo tomar um vinhozinho e equilíbrio é o segredo para manter uma vida saudável, mas querendo ou não, o álcool interfere nos resultados. Depois farei um post contando sobre os #30diassemalcool.

Não me importo com balança e almejo bem-estar além de estética. Aprendi a me aceitar. Já odiei perna fina, ombro largo e hoje me aceito do jeitinho que eu sou. Sempre podemos melhorar, como estou buscando agora, mas se aceitar é o primeiro passo para ser saudável.

Gostaram? Estou muito animada. Tenho postado bastante no stories e insta sobre minha rotina. Ao longo deste mês vou contando os resultados e as mudanças que venho notando no meu corpo e as reações com relação a fome, ansiedade e disposição.

Super beijo e qualquer dúvida, podem me enviar mensagens!!

Beijos,

Gi Saback!

 

@giselasaback

,

O Que É O Be Health Coaching


19 • 06 • 2017
por Gisela Saback

Oi, meninas, tudo bem?

Hoje vim contar um pouco sobre o curso que estou fazendo há aproximadamente um mês, o Be Health Coaching. Foi um outro caminho que encontrei de ampliar meu desenvolvimento, me conhecer e me aprofundar em temas como alimentação e atividade física, tão presentes em minha vida, e que tanto tenho a aprender. A intensão é refletir sobre o que podemos fazer de forma prática e objetiva para ter mais bem-estar no nosso dia a dia.

O Be Health Coaching acontece através de workshops, atendimentos individuais ou em grupos. Ele é focado na aplicação de ferramentas de coaching, apresentação e análise de assuntos pertinentes aos grandes pilares que regem nossa vida: carreira/ ocupação, relacionamento, atividade física, alimentação e espiritualidade;

Com definição de metas, prazos e compromisso, respeitando a individualidade e singularidade de cada um, o curso oferece suporte, acompanhamento, estímulos e práticas da vida real, para que seja possível mudanças de hábito consistentes dentro da rotina de quem busca um estilo de vida mais saudável. Proporciona e facilita um entendimento dos sinais físicos e emocionais que comunicamos ao mundo e a nós mesmos, para uma maior conexão e alinhamento entre corpo, mente, espírito.

O Be Heath Coaching acredita que precisamos ser primeiramente nutridos pelos alimentos da alma, que nos preenchem de forma emocional, para que possamos então focar na nutrição do alimento propriamente dito, tornando-o secundário no que diz respeito ao emagrecimento, compulsão alimentar e hábitos saudáveis.

Um dos temas tratados em aula foi o Mindful eating (comer consciente) e vamos compartilhar com vocês, resumidamente, o significado e a importância deste conceito:

Dê à sua refeição a atenção e importância que ela merece. Foque nessa experiência. Praticar a consciência durante uma refeição te dá a oportunidade de experimentar a comida e o ato de comer como você nunca havia experimentado antes. É estar ali, presente em um hábito simples do dia a dia, uma forma de explorar como as atividades diárias podem ser alteradas por Mindfulness (atenção plena).

♦ Atenção ao Momento

Esteja consciente no momento da refeição. Não critique ou julgue o que pensa ou sente. Fique atento.

♦ Variedade de alimentos

Experimente novas receitas, novos alimentos, tenha um prato rico de cores, mude os hábitos, varie os sabores, faça trocas.

♦ Esqueça as preocupações e não gere novas

A digestão pode ser prejudicada por substâncias liberadas quando não estamos bem, com pensamentos negativos. Crie um ambiente positivo, evite desentendimentos, não crie conflitos. Não é hora de sofrer por dietas ou avaliar regimes e planos alimentares.

♦ Faça apenas uma coisa de cada vez

É hora apenas de comer. Não veja televisão, não é hora de trabalhar e nem mexer no celular. Preste atenção no que coloca no prato. O cérebro precisa de foco para processar que você está se alimentando.

♦ Faça um checklist

De 0 a 10 qual o nível da minha fome? Essa vontade é só desejo ou estou com alguma falta? Estou saciado ou comi rápido demais? Pergunte-se: como está a minha fome numa escala de 0 a 10? Devo comer isso ou é só um desejo? É importante a consciência do momento e das respostas.

♦ Preste atenção nos sentidos

Preste atenção nas texturas, sabores e consistências dos alimentos.

Mastigue mais vezes.

Sinta o aroma dos alimentos.

Torne a refeição uma experiência sensorial.

Dê á sua alimentação a atenção e importância que ela merece!

Acho que é isso. Espero que tenham gostado da dica.

Obrigada, equipe Be Health Coaching (referências de contato através do site www.behealthcoaching.com.br), por compartilhar conhecimento e informações tão ricas e importantes para o meu desenvolvimento. Espero que assim como eu, vocês tenham gostado e queiram, cada vez mais, se conhecer, ter equilíbrio e viver uma vida com saúde e bem estar.

 

,

Como Manter O Equilíbrio Através Da Meditação E Da Respiração


31 • 05 • 2017
por Gisela Saback

Olá meninas,

Medite, inspire e vá além!

O post de hoje será sobre uma prática bastante importante, porém muito recente na minha vida, a meditação.

Há alguns meses, senti a necessidade de trabalhar a mente além do corpo. Passei por um turbilhão de mudanças na minha vida no que tange a profissão, metas e propósitos e senti a necessidade de algo que pudesse acalmar minha ansiedade, meus medos e anseios, porém, como a maioria das pessoas, fui reativa quanto a prática da meditação. Antes mesmo de tentar eu já dizia para mim mesma que jamais conseguiria.

Por coincidências da vida, foi neste momento que conheci o Thi Arruda, meu atual life trainer, o qual conseguiu romper esses paradigmas que eu criei sobre a meditação e me mostrou que qualquer ser humano é capaz de meditar, basta ter vontade, foco e determinação.

  1. Ter vontade
  2. Procurar um profissional sério para lhe assessorar
  3. Ter disciplina e auto-suficiência para todos os dias treinar a meditação

Em função da minha fase de vida, primeiro trabalhamos a meditação e a respiração como ferramentas para aumentar a vitalidade, foco e inteligência emocional, mas ao longo das aulas, o treinamento se mostrou como uma ferramenta que me proporciona autoconhecimento e que me auxilia a ter mais percepção sobre meus obstáculos, medos e principalmente, sobre como lidar com eles.

Uma vez eu li que “…é libertador quando suas opiniões são o que realmente importa, e que se você espera que o outros te indiquem o caminho a seguir o tempo inteiro, nunca vai se sentir plenamente realizado. Quando você confia em si próprio, fica fácil alcançar a plenitude e se tornar mais confiante”.  Isso fez todo o sentido quando passei a meditar, principalmente pelas manhãs, pois é o momento que eu consigo me conectar com os meus propósitos, objetivos e essência, sem dar tempo e espaço para fatores que me dispersam, como medos, opiniões e julgamentos alheios. É uma dádiva quando conseguimos deixar de ser escravos das dispersões. Não digo que já consegui e talvez nunca consiga 100%, mas estamos trabalhando a minha mente para isso. E a caminhada já é bem gratificante.

Segundo o Thi Arruda, “no processo de autoconhecimento e desenvolvimento interno, precisamos ter uma visão integral sobre nossa estrutura física, emocional e mental. A partir dai, precisamos fazer um trabalho de fortalecimento de todas essas estruturas, como por exemplo: aumentar a força e a flexibilidade, aumentar a quantidade de energia – vitalidade, e principalmente, fazer um trabalho de limpeza da estrutura emocional e mental, num primeiro momento, tudo isso promoverá um aumento da qualidade de vida, do foco e da performance perante seus projetos e sonhos.

A partir dai, num segundo momento, esse desenvolvimento integral será capaz de alavancar o seu desempenho para um novo nível, isto é, fazer você ir além dos próprios limites, rompendo os padrões que te limitam e expandindo os potenciais necessários para que você possa desfrutar de sua melhor versão.”

Acredito muito no cuidar da mente e venho batendo nessa tecla há algum tempo. Vivemos na era da preocupação excessiva com o corpo, cheia de radicalismos e extremismos. Porém, em minha visão, fazendo uma analogia com esse momento da musculação, não adianta trabalharmos um único músculo, pois certamente não traria simetria ao corpo e nem seria esteticamente favorável, certo?

Uma vez que passamos a compreender que é preciso trabalhar o conjunto e não fatores isolados, temos o início para um bom desenvolvimento interno.

Corpo e mente estão 100% interligados, todos os pilares precisam estar firmes, caso contrário desequilibra. Como disse o Thi, “de nada adianta termos um business perfeito ou um corpo perfeito, e não cuidarmos do background, ou seja, daquilo que esta oculto, mas que sustenta toda estrutura“.

 om carinho,

Gi Saback

@giselasaback

página 3 de 6