Todos os artigos por Clarissa Rittes

,

Cuidados Com A Pele Do Pescoço


20 • 04 • 2017
por Clarissa Rittes

Olá meninas!!

Como falei na última coluna, essa semana o tema será pescoço e um pouco do colo.

Essas regiões são diariamente expostas à radiação solar, porém nós não temos o hábito de lembrar de proteger e cuidar. Tanto o colo como o pescoço, e todas as áreas expostas à luz solar, também sofrem fotodano (expliquei sobre isso na coluna passada). E, devido a esse dano solar cumulativo, essas regiões costumam envelhecer rapidamente.

O primeiro passo é a prevenção, o uso de protetor solar diário tanto no colo como no pescoço é essencial para prevenir manchas, vasos, lesões malignas e o envelhecimento, causado pela perda do colágeno local. Além de proteger, atualmente existem diversos produtos com ativos que clareiam e retardam o envelhecimento. Porém, essa pele tem menos glândulas sebáceas que a pele do rosto e, por isso, pode ser mais sensível. É essencial consultar o médico dermatologista para saber qual o melhor ativo e sua concentração ideal para seu tipo de pele.

Pessoas que já sofreram perda de colágeno e já apresentam flacidez devem procurar o dermatologista, pois existem várias opções de tratamento para flacidez, dependendo do seu grau e causa.

Começamos pelas peles mais jovens: em geral, pessoas muito claras, ou que já se expuseram muito ao sol, ou fizeram bronzeamento artificial, podem ter já ter sinais de flacidez aos 30 anos. Nesses casos, podemos usar aparelhos para estimular a produção de colágeno, melhorando muito a condição da pele. A radiofrequência é uma excelente opção. O número de sessões e a escolha da radiofrequência vai depender de muitos fatores como tipo e cor da pele, além da condição do restante do rosto. Lembrando que radiofrequência é o nome da tecnologia e hoje existem milhares disponíveis no mercado, desde as mais poderosas que “resolvem” o problema, às mais leves que não fazem muito efeito.

Já para peles mais maduras, a combinação do laser de Neodimio com o de Erbium em tecnologia robótica, é uma excelente opção para estímulo de colágeno e melhora de flacidez, sem downtime (tempo de recuperação). Em casos de muita flacidez e linhas , podemos combinar as duas tecnologias e associar a outros procedimentos , como a toxina botulínica (paralisa a musculatura que “puxa para baixo” e diminui as linhas do pescoço, além de definir o contorno), ou sustentação na mandíbula e Malar (MD codes), pois uma das causas do envelhecimento do pescoço , além da perda de colágeno e da gravidade, é a queda da região malar, que “pesa” em cima dos músculos do terço inferior, os estimulando a ficar mais fortes, e consequentemente “puxando ” tudo para baixo. A quantidade de procedimentos, escolha dos mais adequados e número de sessões dependem da avaliação feita pelo médico dermatologista durante a consulta médica.

Espero que tenham gostado, próxima coluna falaremos sobre o rejuvenescimento do colo.

Beijos e até a próxima coluna, Clarissa Rittes.

Para mais informações: Tel:. (11) 3045-4167 | IG: @clarissarittes

 

,

Cuidados Com a Pele do Pescoço, Colo e Mãos


06 • 04 • 2017
por Clarissa Rittes

Olá meninas!!!

Hoje falarei sobre mais alguns cuidados com a pele e tratamentos favoráveis para realização durante o inverno. Mais especificamente, abordarei três partes do corpo que geralmente demoramos para notar e nos preocupar: pescoço, colo e mãos. Lembrem que essas regiões também envelhecem, pois além de perderem colágeno, são geralmente bem expostas ao sol e raramente nos atentamos a elas.

Como sabemos, a exposição solar crônica (aquele sol que tomamos na cidade, na rua, no trabalho) é uma das principais causas do envelhecimento da pele e, além de causar um fotodano (dano causado pelo excesso de luz), a longo prazo, pode gerar câncer de pele.

Isso acontece porque os níveis de radiação UVA estão presentes o ano todo, e quando estamos na rotina da cidade, trabalhando, andando na rua, vivendo o dia a dia, muitas vezes, esquecemos do protetor nas áreas que não a do rosto. Infelizmente a radiação UVA faz fotodano na pele, sem deixar um aspecto queimado e só percebemos esse dano depois de alguns anos. Ou seja, o sol que tomamos hoje, em geral leva 10 anos para aparecer nas áreas expostas em forma de manchas, vasos, flacidez e perda de colágeno e, algumas vezes, lesões ásperas que são pré cancerígenas ou câncer de pele (que pode se apresentar em forma de ferida, úlcera, nódulo, ou pinta. Por isso, aconselho além de consultar o Dermato uma vez ao ano para exame de rotina, devemos tomar algumas medidas para prevenir esse fotodano, fazendo o uso, principalmente, do protetor solar diário nas mãos, pescoço , rosto e colo.

A radiação UVA ” fura” nuvens, e está presente em todos os meses do ano, e também nos dias nublados e chuvosos. Além do protetor, para quem já tem fotodano, temos muitas opções para tratar essas áreas.

Nesta coluna focarei no rejuvenescimento das mãos e, na próxima, abordarei o tema ‘pescoço’ e ‘colo’ mais profundamente. Nas mãos, além das manchas e flacidez da pele, muitas vezes, temos perda de volume. Por isso, o Dermato deve sempre avaliar para saber a melhor indicação:

– Para a flacidez, podemos optar entre laser e radiofrequência e, dependendo do caso, podemos associar as duas tecnologias.

– Para manchas e vasos, a luz pulsada é uma excelente opção, pois além de tratar as manchas, estimula o colágeno atuando na flacidez.

– Para os casos de falta de volume, optamos pelo preenchimento, que devolve o volume e aspecto jovem às mãos. Os procedimentos a laser e luz pulsará para mãos e em geral demoram de uma semana a 15 dias para cicatrizar e não podem ser feitos em peles queimadas, bronzeadas do sol ou antes de ir para praia. Por esta razão, por isso o inverno é o momento ideal para eles.

O pós deve ter muita proteção solar, e todos os procedimentos acima devem ser feitos por médicos especialistas, para evitar complicações. Laser, luz pulsada, radiofrequência, são todos tecnologias, porém existem muitas máquinas no mercado, de diversas marcas, e nem todas são eficientes e trazem resultados. Além disso, os mesmos dependem do profissional que está operando o tratamento uma vez que a energia escolhida é realizada por quem aplica a tecnologia. Desta forma, na hora de cuidar da pele, procurem um médico dermatologista capacitado.

Beijos e até a próxima coluna, Clarissa Rittes.

Para mais informações: Tel:. (11) 3045-4167 | IG: @clarissarittes

 

,

Os Procedimentos À Laser No Inverno


24 • 03 • 2017
por Clarissa Rittes

Olá meninas!!

O verão já passou e estamos chegando naquele momento do ano ideal para cuidar da pele, o inverno.

Muitos tratamentos à laser, peelings e microagulhamento precisam de, em média, uma semana a 15 dias de descanso do sol. Além disso, muitos procedimentos não podem ser realizados com a pele bronzeada, por isso, o outono e o inverno são estações do ano excelentes para esses cuidados.

Hoje vou falar um pouco sobre alguns procedimentos à laser. Para quais tratamentos eles são indicados, número de sessões e os resultados atingidos.

Começamos com o laser de Neodímio, que é muito utilizado para rejuvenescer a pele, depilar, mas principalmente para tratar vasos. Desde aqueles vermelhinhos que vão aparecendo no rosto ao longo dos anos, causados principalmente pela exposição ao sol e pela genética, até os vasos de indivíduos com Rosácea (doença dermatológica que deve ser tratada o quanto antes para evitar a piora do quadro ocorrido com o passar do tempo).

O laser de Neodímio pode tratar, ainda, os vasos presentes nas indesejadas olheiras.

Estes procedimentos devem ser feitos na pele não bronzeada e bem resfriada (idealmente por um aparelho que gela a pele), nos parâmetros corretos para o tamanho do vaso, profundidade e cor da pele do paciente. No pós acontece um eritema (vermelhão) que dura poucos dias. Em geral, são realizadas de 4 a 6 sessões, uma vez por mês, conseguindo eliminar, em média, 80 a 90% desses indesejados vasinhos.

No inverno, muitos profissionais optam por lasers mais ablativos/ ressurfacing ablativos (aquele procedimento que “destroi” toda a pele para nascer uma novinha e com menos linhas, manchas e melhor textura). É um tipo de procedimento bem doloroso e mais longo, mas sua indicação é restrita e usada em casos bem específicos, uma vez que, atualmente, há muitas opções de lasers com resultados fantásticos, com menos ablação e tempo mais reduzido de recuperação,

É o caso do procedimento com o laser fracionado (com a energia “dividida”, aplicado em partes da pele e entregue em milhares de micro feixes) que apresenta um resultado excelente, às vezes até melhor que o do laser ablativo, causando muito menos dano, apenas uma descamação nos pontos onde o laser atuou.

Vale ressaltar que, com a evolução da laserterapia para rejuvenescimento ocorrida nos últimos anos, surgiram  aparelhos com maior atração pelo “target” (água que está embaixo da pele) que conseguem causar o dano térmico que estimula a produção de colágeno, sem machucar tanto a pele.

Lembrando que, independente do dano causado, o paciente não pode tomar sol por 15 dias após o tratamento e também não deve fazer o procedimento com a pele bronzeada.

Esse tipo de laser trata rugas finas e grossas, melhora a textura e tônus da pele, além da flacidez. O número de sessões depende da pele do paciente, faixa etária e tipo de laser utilizado.

Tanto as linhas quanto a flacidez são causadas pela idade e pelo abuso aos raios solares, por isso, quanto menos sol, menos linhas para tratar no futuro!

Na próxima coluna falarei de mais procedimentos interessantes para fazer no inverno.

Beijos, Dra. Clarissa

Para mais informações: Tel:. (11) 3045-4167 | IG: @clarissarittes

página 1 de 13